Pois é… As coisas estão mudando.

Publicado: 01/10/2009 em Uncategorized

Entender um objeto em estudo é extremamente importante, mas entender o meio no qual esse objeto se situa é mais importante ainda. Quer dizer… Não adianta apenas saber como funciona minha caixa de e-mails, preciso saber como mandá-los, recebê-los, como anexar arquivos, como posso ter certeza de que chegou ao destino, etc.

email

Em outras palavras, dentro do contexto digital dos dias atuais, podemos afirmar que é muito fácil falar sobre a mídia. Na vida das pessoas, mídia é “aquela coisa que transmite informações,  que conta fofocas, repassa notícias, me conecta com o resto do mundo e que se resume na televisão da sala, na assinatura do jornal e na mensalidade da banda larga da minha internet”.

 

Na verdade não é bem assim. Da mesma maneira que Ricardo Cavallini diz em seu livro “Onipresente”,  que deve-se rever a maneira a qual se rotula os consumidores, é de grande importância medir o consumo dessa mídia que estamos falando.

 digital

Porém não consumimos mais apenas um veículo por vez, ou uma informação separada da outra: o indivíduo se expandiu de tal forma, que domina 100% o significado da palavra “consumidor”.  E esse sujeito que consome, se encontra em todos os lugares ao mesmo tempo, ou seja, as inúmeras opções que foram criadas para tal – seja lá de qual produto ou serviço – faz com que ele possa acessar muitos meios e veículos simultaneamente.

 midia

E voltando então,  ao conceito primeiro do texto (a necessidade de se conhecer o meio onde se encontra o objeto em estudo), não nos resta outra alternativa a não ser questionar o consumo da mídia – coisa que não pode mais ser feita apenas com a medição da audiência de um programa televisivo, por exemplo.

 

Os meios nos quais a mídia se faz presente são diversos e desiguais, e o ato de medir um aparelho como a televisão ou o computador, além de ser impreciso é também complexo e muito caro.

 new

A resposta encontra-se no próprio consumidor, pois é ele quem vai receber o resultado produzido pela mídia. Por isso que esse espaço midiático deve concretizar o conceito que quer passar, além de esclarecer o que está por trás de seu material e deixar a mensagem transparente, sem deixar de dizer seu propósito e de buscar a exploração de todas as possibilidades que o veículo escolhido pode transmitir .

 

Por isso que qualquer tipo de ação publicitária deve ter uma mensagem que decodifica a imagem da marca divulgada. E quando escolhidos diferentes meios e formas de se fazer uma propaganda, a mensagem deve ser a mesma, de maneira que todos os veículos envolvidos se unam e formem uma só comunicação. Isto é, por mais que as ações sejam diferentes, os meios não sejam os mesmos e o conteúdo seja diferenciado, o mercado que se utiliza desse recurso chama-o de Comunicação Integrada.

 ideia

Sendo assim, a escolha de tais meios de utilização da mídia, deve ser elegida pela melhor maneira de estabelecer a idéia (conceito da marca) e expor a mensagem (explicitar o conteúdo) – tudo isso sob perspectiva do consumidor, e não com base em recursos financeiros ou de esforços. Contudo é importante citar que se a preocupação na escolha ocorresse de modo contrário, ela não seria neutra, já que o termo Media Neutral já faz parte de discursos publicitários em agências quando se referem a fomentação de uma imagem de isenção.

 

Essa nova linguagem comunicacional tem se renovado cada vez mais, e hoje encontra-se num momento em que é feita por camadas, quer dizer, tanto o conteúdo quanto a mensagem são transmitidos não só em veículos e meios diferentes, servem como um hiperlink conceitual. Atende diferentes demandas em diferentes profundidades e acaba por se criar uma gama de possibilidades que permite uma experiência mais rica.

 

O fato de diversas partes poderem ser consumidas individualmente ficou conhecido como Transmedia.  Mesmo assim, essas múltiplas faces de uma só comunicação, ao mesmo tempo são consumidas também em conjunto: se complementam e geram uma complexidade de experiências únicas.

 

E tudo isso faz com que haja um diálogo entre aqueles que buscam entender ou explicar a percepção sobre o tema tratado dentro dessa Transmedia. Ou seja, é criada uma movimentação que gera e mantêm o interesse, além de se posicionar como uma “versão” mais evoluída e sofisticada da Comunicação Integrada.

 

Para entender melhor a diferença entre a Transmedia e a Comunicação Integrada, podemos citar o filme Batman Begins.

 

DC Comics publicou gibis antes do lançamento do filme para dar mais informações de fundo para melhor entendimento. O foco principalera transmitir informações e dar mais mais detalhes sobre Bruce Wayne ‘s. Este exemplo mostra como a Warner Brothers, proprietária da DC Comics, se utiliza da Transmedia para transmitir o conteúdo de uma única história, pois assim são criados diversos níveis de imersão de modo que os fãs de aprofundem no que é desejado.

 

Fontes:


http://www.blogcriativosnaweb.com/2009/08/o-que-e-transmedia-storytelling.html


 http://www.contextoseo.com/convergengia-de-midia


http://casadogalo.com/transmedia-storytelling-quem-conta-um-conto-aumenta-um-ponto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s